Sala de Imprensa
04/12/2014
Juiz decreta a dissolução da Desportiva Capixaba
Sentença na 2ª Vara Cível de Cariacica para o fim da parceria com o Grupo Villa Forte será seguida pela nomeação de um liquidante e da partilha entre as partes

Henrique Montovanelli

Assessoria de Imprensa - Desportiva Ferroviária 

 

A primeira etapa para a solução dos problemas jurídicos e financeiros da Desportiva Ferroviária aconteceu na última segunda-feira (01). O juiz titular da 2ª Vara Cível de Cariacica determinou a dissolução da Desportiva Capixaba e, consequentemente, da sociedade entre Desportiva Ferroviária e o Grupo Villa-Forte & Oliveira Empreendimentos e Participações S/A, além da nomeação de um liquidante em comum acordo, no prazo de dez dias.

 

A decisão é baseada na comprovação da não integralização do patrimônio pelo grupo empresarial de Marcello Villa-Forte de Oliveira. No acordo, assinado no dia 19 de maio de 1999, o Grupo Villa Forte deveria ter integralizado o patrimônio no pagamento imediato de 10% do valor total de R$ 1.040.910,00, e em 20 parcelas mensais de R$ 30 mil, além da construção de um posto de gasolina de bandeira “Frannel”, no valor de R$ 336.819 mil. O grupo, que se tornou majoritário com 51% das ações, cumpriu apenas com o pagamento de R$ 104.091 mil, valor equivalente aos 10% do total necessário para a aquisição.

 

Como as duas partes concordaram com a dissolução, da sentença possivelmente não caberá recurso. O próximo passo é a nomeação de um liquidante, em comum acordo, no prazo de dez dias. Caso contrário, o próprio juiz decide quem será o responsável pela apuração dos bens, assim como dos haveres e deveres da sociedade dissolvida, seguida da partilha do patrimônio líquido. Segundo o departamento jurídico da Desportiva Ferroviária, o desenvolvimento das próximas duas etapas pode demorar ou não, mas a decisão tomada pelo juiz na última segunda-feira (01) já é um grande avanço.

 

“É como se fosse um casamento. O juiz decidiu pelo divórcio, mas agora entra a etapa da divisão dos bens. Nesse caso, será nomeado um liquidante para intermediar esse processo. Entretanto, é um passo importante, que a Desportiva Ferroviária entende como justo”.

 

Antes da dissolução da sociedade, a Justiça Trabalhista e Federal entendiam que a Desportiva Ferroviária fazia parte do grupo econômico Villa-Forte. Dessa forma, todos os passivos das mais de vinte empresas do Grupo Villa-Forte eram destinados ao clube, que, por isso, soma cerca de R$ 80 milhões de dívidas, que serão apuradas na liquidação.

 

O presidente da Desportiva Ferroviária, Wilson de Jesus, também comenta a esperada decisão por parte da Justiça. “Não é a solução dos nossos problemas ainda, mas é um passo muito importante para isso. Apesar de toda a luta durante todos esses anos, nunca deixamos de acreditar na Justiça e que essa decisão viria. Estamos felizes por isso, mas sabemos que ainda temos muita coisa pela frente”. 

 

Entenda o caso 

  

Em 1999, o ex-presidente da Desportiva Ferroviária, Edvaldo Rocha Leite, firmou parceria com o grupo Villa-Forte & Oliveira Empreendimentos e Participações S/A (leia-se rede de postos de combustíveis Frannel), tendo como seu principal gestor Marcelo Villa-Forte, além de outros familiares. A Desportiva Ferroviária ficaria com o extinto Parque Aquático, enquanto que o futebol seria administrado pela Desportiva Capixaba (união da Desportiva Ferroviária com o grupo Oliveira Empreendimentos e Participações S/A), que também detinha o estádio. A primeira parte ficaria com 49% das ações, enquanto o grupo majoritário com 51%. Como contrapartida, acordou-se que seria pago R$ 1.040,910,00, na forma de 10% inicial, 20 parcelas mensais de R$ 30 mil, e na construção de um posto de gasolina no valor de R$ 336.819,00.

 

Com inadimplemento das obrigações por parte da Villa-Forte & Oliveira Empreendimentos e Participações S/A, a Desportiva Ferroviária cobrou e a justiça capixaba condenou o grupo de investidores a pagar R$ 8.000.000,00 (valores atuais) aos ferroviários, o que ainda não ocorreu.

 

No dia 08 de abril de 2011, após recuperar a posse do estádio Engenheiro Alencar Araripe, atualmente Arena Unimed Sicoob, a Desportiva Ferroviária voltou a existir, tocando o futebol, mas com poucos recursos e com inúmeros desafios pela frente. Até o momento, a atual gestão grená já pagou cerca de R$ 800 mil de dívidas que não lhe pertencem.





Veja mais:

21/12/13 - Tiva perde amistoso contra o Atlético de Itapemirim
10/06/15 - Tiva renova com Ramon para a Copa Espírito Santo
24/02/16 - Desportiva e Solvive fazem parceria para base
20/11/17 - Desportiva contrata preparador físico
22/06/15 - Léo Gonçalves reforça a Locomotiva
18/04/15 - Desportiva perde para o Rio Branco por 1 a 0
05/01/15 - Tiva perde para o Palmeiras na estreia da Copa São Paulo
17/03/16 - Locomotiva embalada para a estreia no Hexagonal
09/07/16 - Sub-20: Tiva cai na semifinal do Estadual
03/06/16 - Maestro faz estágio no Fluminense

    veja lista completa

Campeonato Capixaba 2018
1Desportiva Ferroviaria 14 9 3
2Rio Branco F.C. 3 1 1
3Vitória Futebol Clube 1 1 0
4Serra Futebol Clube 1 1 0
VFC
1 x 1
DES
DES
1 x 1
SFC